Siga-nos nas Redes Sociais


Bairros

Volta às aulas na cidade de SP em 2020 é incerta e será definida após nova testagem de alunos

Publicado

dia:

O prefeito de São PauloBruno Covas (PSDB), anunciou que a data de reabertura das escolas públicas e privadas da cidade será definida em setembro, após a realização da testagem para anticorpos do novo coronavírus em crianças e adolescentes de todas as redes de ensino, o que deve ocorrer até o dia 15. “A partir dessa terceira fase (do inquérito sorológico), Prefeitura vai decidir se teremos ou não o retorno das aulas neste ano na cidade”, declarou.

O anúncio ocorreu após a gestão municipal divulgar nesta quinta-feira, 27, os resultados do segundo inquérito em estudantes da rede municipal de 4 a 14 anos, o qual apontou que 18,3% têm anticorpos para o vírus, ou seja, 123.694 crianças e adolescentes desse grupo tiveram a doença. Do total, 69,5% foram assintomáticos, o que preocupa o Município, que vê os estudantes como possíveis vetores silenciosos de disseminação da doença em um momento de estabilização da pandemia.

Na coletiva, Covas voltou a destacar que a decisão pela reabertura das escolas é da área de saúde. Ele disse, também, que o veto à volta às aulas em setembro foi um acerto.

Foram coletadas amostras de sangue venoso (com extração de soro) de 2.518 mil alunos entre 18 e 20 de agosto. A prevalência varia pouco entre as faixas etárias: de 4 a 5 anos (19,3%), de 6 a 10 anos (17,2%) e de 11 a 14 anos (18,6%).

prevalência de casos é maior entre estudantes pretos e pardos (20%) do que em brancos (16,1%). Essa desigualdade também se repete nas classes sociais mais baixas, com 19,5% dos alunos das classes D e E com resultado positivo para o coronavírus, enquanto que é de 15,5% na classe C. Nesse fase, não houve registro de casos nas classes A e B (que são minoria na rede municipal).

Outro dado que preocupa a Prefeitura é que 26,3% dos alunos moram com idosos. Isso porque, com a reabertura das escolas, as crianças e adolescentes poderiam trazer a doença para a residência e contagiar pessoas do grupo de risco.

Do total, 76,2% declarou praticar “totalmente” o distanciamento social, enquanto 22,5% disse realizar “parcialmente” e 1,3% “não pratica”. Além disso, o levantamento também questionou a respeito do uso de máscaras em locais públicos. O resultado foi: 81,8% “sempre”, 10,9% “a maioria das vezes”, 4,7% “de vez em quando”, 1,1% “nunca” e 1,5% “não frequenta lugar público”.

O inquérito sorteou aleatoriamente 6 mil crianças e adolescentes (divididos igualmente entre educação infantil, fundamental I e fundamental II) a partir do cadastro de matrículas da rede escolar municipal, de um total de 675.922. alunos.

A gestão municipal também divulgou o resultado do quinto inquérito sorológico da população adulta, o qual estima que 11% tem anticorpos para o novo coronavírus, o que representa 1,3 milhão de pessoas. Do total, 40,6% foram casos assintomáticos.

O levantamento colheu 2.449 amostras de adultos. “A tendência (de número de casos) vai se confirmando na cidade, mesmo com todo o processo de reabertura”, pontuou o secretário municipal da Saúde, Edson Aparecido.

De acordo com a Prefeitura, o exame sorológico usado na pesquisa avaliou a prevalência em moradores adultos sorteados aleatoriamente a partir da base de dados do IPTU de 2020, dos hidrômetros de 2017 e do programa Estratégia Saúde da Família (ESF). A amostra é coletada em domicílio.

A fase anterior do inquérito para crianças e adolescentes foi focada no mesmo grupo, o qual apontou que 16,1% tem anticorpos para o novo coronavírus, dos quais 64,4% foram de casos assintomáticos. O resultado motivou a Prefeitura a vetar a reabertura parcial das escolas para atividades de reforço.

Ao todo, foram realizados sete inquéritos sorológicos. No anterior de população adulta, divulgado em 13 de agosto, 10,9% das pessoas com 18 anos ou mais tinham anticorpos para o novo coronavírus.

Governo de SP permite reabertura de escolas em setembro, mas decisão é das prefeituras

reabertura de escolas está permitida pelo governo estadual para a partir de 8 de setembro nas regiões que estão em fase amarela há mais de 28 dias, caso da cidade de São Paulo. Durante o anúncio da medida, o governador João Doria (PSDB) chegou a ressaltar que o retorno é opcional e decidido pelas prefeituras.

A retomada em setembro é focada em atividades de acolhimento, recuperação, atividades físicas, tutoria e aulas em laboratório, enquanto a data oficial de retorno é 7 de outubro. O funcionamento está condicionado ao cumprimento de protocolos sanitários.

Em Santo André, Mauá, Rio Grande da Serra e Ribeirão Pires, os prefeitos já anunciaram que a reabertura das escolas nas redes públicas municipais está totalmente descartada no ano letivo de 2020. Em reunião realizada no dia 11, o Consórcio Intermunicipal Grande ABC definiu que as aulas presenciais das redes pública e privada vão voltar em conjunto, na mesma data.

Publicidade
Clique e Comente

Você precisa estar logado para postar um comentário Entrar

Deixe uma resposta

Publicidade

Siga-nos no Facebook

Mais Lidas