Siga-nos nas Redes Sociais


Últimas Notícias

Transtornos, insegurança e depreciação do imóvel: moradores vivem angústia na Cracolândia  – Notícias

Publicado

dia:

Transtornos, insegurança e depreciação do imóvel: moradores vivem angústia na Cracolândia  - Notícias


“Tinha crises de pânico e medo de sair na rua”, contou uma ex-moradora da região da Cracolândia, que prefere não ser identificada por medo de represálias, ao R7. A aposentada de 70 anos se viu obrigada a mudar da avenida São João devido à escalada de violência.

Após o ‘fluxo’ – nome dado para a concentração de usuários de drogas em determinado ponto – se espalhar pelas ruas do centro de São Paulo em decorrência da Operação Caronte da Polícia Civil, a idosa deixou no mês de junho o apartamento, onde viveu por 15 anos, para morar na Freguesia do Ó, bairro da zona norte da capital.

Publicidade

Apesar de a Cracolândia não ser um problema novo, para a aposentada, este ano foi a gota d’água, já que ela enfrentou constantes crises de pânico, além de perder a liberdade de ir e vir.

A idosa também relatou que ficava com o coração dividido: tinha pena e vontade de ajudar os usuários e, ao mesmo tempo, sofria com o medo de sair nas ruas e ser atacada. Em sua opinião, esse grupo vulnerável é manipulado pelos traficantes da região. Em diversas ocasiões, ela presenciou a distribuição de drogas da janela de casa.

“Tive que largar um apartamento próprio, que foi quitado a muito custo, para alugar um em um bairro residencial. Agora tenho outra vida”, desabafou a idosa.

Publicidade

Para custear a mudança, ela colocou o imóvel para alugar, porém não conseguiu um valor satisfatório em razão da insegurança no centro da cidade e da desvalorização econômica. 

Desde criança

“Moro nessa região desde que eu nasci. Antes da dispersão do fluxo, eu não tinha contato com os usuários, pois eles ficavam concentrados na praça Isabel. E eu evitava essa área”, contou à reportagem a analista de administração Vivianne Valentino, de 29 anos.

Publicidade

A jovem mora com a mãe e a filha em um prédio localizado na avenida São João. Além do medo de sair do apartamento, o barulho e a sujeira se tornaram parte do cotidiano da família e dos demais moradores. De acordo com Vivianne, algumas pessoas em situação de rua andam com caixinhas de som “24 horas por dia”.

A família também já considerou deixar o bairro, porém o imóvel é próprio. Com a desvalorização da região nos últimos anos, seria difícil vendê-lo. Em razão desse cenário, o sonho de viver “sem tensão” foi adiado.

Sonho perdido

Publicidade

“Viver em alerta faz um mal gigante para o corpo e para a mente”, desafabou uma servidora pública, de 31 anos, que mora com o marido na região da Cracolândia e faz tratamento para ansiedade. Ela também pediu para ter a identidade preservada.

Em junho de 2019, o casal comprou um imóvel no Complexo Júlio Prestes, um projeto habitacional e cultural de PPP (Participação Público-Privada) do governo de São Paulo. O objetivo do empreendimento era ser um ponto de revitalização do centro, que falhou, na visão dos moradores.

Com cinco torres e mais de mil famílias residentes, o complexo ainda possui um boulevard com lojas. Inicialmente, este espaço seria aberto para fomentar o comércio na região, porém rapidamente foi murado em razão da movimentação e multiplicação do fluxo para outras ruas.

Publicidade

“É bom morar no centro, é próximo dos locais. Porém, fomos privados do direito de ir e vir”, se queixa a servidora pública.

Para ela, o trabalho da polícia é essencial no combate à criminalidade e ao tráfico de drogas. “Sem as operações, a situação seria pior”. Entretanto, em sua visão, faltam políticas públicas para tratar os usuários e retirá-los das ruas.

Publicidade

Siga o portal Grajaú News no Google Notícias e no Canal do Telegram.

#grajaunews @grajaunews #grajau #saopaulo

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Siga-nos no Facebook

LEITORES ONLINE