Siga-nos nas Redes Sociais


Tecnologia

Terroristas burlam diretrizes do YouTube e lucram com live em Brasília

Publicado

dia:

Terroristas burlam diretrizes do YouTube e lucram com live em Brasília


Reprodução YouTube

YouTube permite divulgação de material pró-terrorismo

Terroristas que participaram do  ataque à Brasília neste domingo (8) lucram com lives no YouTube apesar das diretrizes da plataforma proibirem conteúdos que “apoiem, promovam ou ajudem organizações criminosas ou extremistas violentas”. Um levantamento da agência de checagem “Aos Fatos” revelou que 23 de 47 transmissões ao vivo foram monetizadas. 

Publicidade

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o  perfil geral do Portal iG 

Algumas destas lives já foram retiradas ou tornadas privadas por canais de extrema-direita que tiveram representantes na tentativa de golpe. Outras transmissões comentavam o que circulava nas redes. 

Algumas transmissões que mostravam a depredação dos prédios dos Três Poderes obtiveram até 300 mil visualizações. 

Além do lucro com visualizações e com “super chat” – ferramente que permite doação direta para o criador de conteúdo -, alguns canais aumentaram significativamente o número de seguidores durante o ataque. 

Publicidade

Um dos pedidos enviados ao  STF (Supremo Tribunal Federal), a AGU (Advocacia-Geral da União) solicita a desmonetização de canais de extrema-direita que de alguma forma promovam os atos. 

A reportagem da agência “Aos Fatos” lista canais como o do autodenominado bispo Santana, que tem 579 mil inscritos e não participou dos atos em Brasília, mas pediu dinheiro via Pix para retransmitir imagens aos mais de 18 mil espectadores simultâneos. 

Também lista Adriano Castro, ex-participante do Big Brother Brasil e conhecido na plataforma como Didi RedPill, que apesar de não ter seu vídeo monetizado, permitiu com que terceiros republicassem a live, estes, sim, lucrando. 

Publicidade

À reportagem, o YouTube disse que monitora os conteúdos e removendo o que viola suas práticas. Além disso, a plataforma disse que passou a dar destaque a conteúdos de fontes confiáveis na página principal, nas buscas e nas recomendações.

Siga o portal Grajaú News no Google Notícias e no Canal do Telegram.

#grajaunews @grajaunews #grajau #saopaulo

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Siga-nos no Facebook

LEITORES ONLINE