Siga-nos nas Redes Sociais


Tecnologia

Salto robótico: dispositivo motorizado dá pulos de 30 metros de altura

Publicado

dia:

Imagem de: WhatsApp é atualizado com reações, grupos de 512 membros e mais

Um artigo publicado no fim de abril na revista científica Nature apresentou um novo salto na robótica. Cientistas demonstraram um robô saltador que, além de trazer novos insights para a compreensão do salto como uma forma de locomoção, bateu todos os recordes de altura atingidos até hoje por qualquer mecanismo de salto, seja projetado pelo homem ou biológico.

O saltador atingiu 33 metros, com uma velocidade de decolagem de 28 metros por segundo.

De acordo com o professor de engenharia Elliot Hawkes, da Universidade da Califórnia em Santa Bárbara (Estados Unidos), que liderou o projeto, o objetivo do trabalho “veio de uma questão científica”. Em um comunicado da universidade, ele explica que a ideia foi “entender quais eram os limites dos saltadores projetados.”

Afinal, diz o estudo, cientistas vêm pesquisando os limites da altura biológica do salto durante séculos, sem contar que, desde Aristóteles, engenheiros têm projetado maquinas de salto inspiradas em saltadores biológicos. Nesse sentido, o estudo veio sanar uma lacuna: mostrar as diferenças existentes entre a energia de salto de jumpers biológicos e de engenharia de escala.

O que os cientistas descobriram sobre os saltos?

Para projetar dispositivos que pulam, pesquisadores têm se valido de modelos biológicos, embora se saiba que “sistemas biológicos só podem saltar com tanta energia quanto podem produzir em um único golpe de seu músculo”, afirma Charles Xaio, um dos autores do novo estudo.

Para contornar a limitação, engenheiros usam motores que produzem muitos golpes, geralmente para multiplicar a quantidade de energia que podem armazenar em sua mola propulsora.

O resultado desses insights foi um pequeno jumper de 30 centímetros de altura e 30 gramas de peso com uma notável diferença para os saltadores biológicos: sua mola em relação ao seu motor é quase 100 vezes maior do que qualquer sistema animal. Além de maior, a força da mola foi incrementada com a adição de tiras de borracha esticadas pela tração de uma linha enrolada em um eixo acionado por motor.

ARTIGO – Nature – DOI: 10.1038/s41586-022-04606-3.

Publicidade
Publicidade

Siga-nos no Facebook

LEITORES ONLINE

AS MAIS LIDAS DO MÊS