Siga-nos nas Redes Sociais


Saúde

Saiba qual a diferença entre intolerância a lactose e alergia ao leite

Publicado

dia:

Saiba qual a diferença entre intolerância a lactose e alergia ao leite

Redação EdiCase

Saiba qual a diferença entre intolerância a lactose e alergia ao leite

Por Renata Sbrissa

Originadas do mesmo alimento, o leite de vaca, a intolerância à lactose e a alergia à proteína do leite são condições diferentes. A primeira situação ocorre quando o intestino não produz a enzima lactase em quantidade suficiente e não é capaz de quebrar e absorver o açúcar do leite.

Já a alergia à proteína do leite de vaca (APLV) é, como já diz o próprio nome, um quadro alérgico, com um mecanismo imunológico que pode ser mediado por IgE, que é a proteína produzida pelo organismo como forma de defender o corpo contra agentes infecciosos e suas toxinas.

Causas da alergia e da intolerância

As causas da alergia e da intolerância também são distintas. A
alergia

é causada pela incapacidade do intestino em produzir lactose, que pode ser resultado de uma alimentação inadequada com alta quantidade de alimentos ultraprocessados e alteração de microbiota intestinal.

Já a intolerância é uma predisposição genética associada a uma exposição de proteína do leite na corrente sanguínea. “Vale ressaltar que na intolerância, tal incapacidade também se deve à uma base primária por um fator genético, muito comum em orientais e seus descendentes”, diz a médica nutróloga Dra. Daniela Gomes.

Sintomas das enfermidades 

Segundo a médica nutróloga Dra. Daniela Gomes, na
alergia à proteína do leite de vaca

não mediada, ou seja, quando o organismo não corresponde corretamente à produção de anticorpos IgE, os sintomas são gastrointestinais, por exemplo, prisão de ventre e gases.

“[Os sintomas] podem ser muito parecidos com a intolerância à lactose, porém são condições diferentes”, explica a Dra. Daniela Gomes. Quando o problema é a intolerância, os seguintes sintomas podem ser constatados:

  • Distensão abdominal (gases);
  • Dor na região do abdômen;
  • Sensação de empachamento;
  • Diarreia;
  • Náusea e vômito. 

Diagnóstico 

O diagnóstico de intolerância à lactose é principalmente clínico, realizado após a pessoa sentir sintomas depois de consumir laticínios, podendo ser confirmado entre 3 ou 4 semanas mediante dieta sem consumo de laticínios. Enquanto o de alergia à proteína do leite é realizado medindo a
glicemia sanguínea

e também o teste de hidrogênio expirado. Além do teste da análise do histórico clínico do paciente e dieta de exclusão.

Tratamento 
da intolerância à lactose

A intolerância à lactose, quando de base genética, não tem cura, contudo, quando causada por hábitos de estilo de vida, a melhora da alimentação e da flora intestinal pode ser feita para posterior introdução gradativa de lactose. O uso de enzima lactose também é útil nesse caso.

Já na APLV, a maioria das pessoas apresentará os sintomas por toda a vida e deve-se excluir todo e qualquer alimento à base de proteína do leite. No entanto, a solução para o contorno dessas duas condições pode ser a utilização de fórmulas extensamente hidrolisadas (FEH), como aminoácidos, soja e outros
leites vegetais

suplementados com cálcio. Mas a nutróloga Dra. Daniela Gomes ressalta que é sempre importante consultar um especialista.

“Apresentando qualquer sintoma citado ou desconforto na ingestão de leite e seus derivados, o paciente deverá procurar um nutrólogo, pois, somente esse profissional poderá fazer o diagnóstico e posterior indicação da dieta apropriada”, diz a médica.

Todo tipo de leite de origem animal deve ser evitado

É importante salientar que os
alérgicos à lactose

jamais devem ingerir leite e/ou qualquer dos seus derivados, inclusive aqueles alimentos que têm traços de contaminação por lactose. “Há a falsa percepção de que esse grupo pode ingerir, por exemplo, leite sem lactose, o que é muito perigoso, justamente por esses traços de contaminação”, adverte a Dra. Daniela.

Publicidade

Siga-nos no Facebook

LEITORES ONLINE

AS MAIS LIDAS DO MÊS