Siga-nos nas Redes Sociais


Últimas Notícias

Ricardo Galvão, demitido do Inpe por Bolsonaro, é o novo presidente do CNPq

Publicado

dia:

Exame logo 55 anos


Ricardo Galvão, pesquisador e professor de Física da Universidade de São Paulo (USP), será o novo presidente do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), órgão responsável por fomentar a pesquisa científica no Brasil. A nomeação oficial deverá ser feita na próxima terça-feira, 17, por Luciana Santos, Ministra da Ciência, Tecnologia e Inovação, pasta a qual o CNPq pertence.

Quer receber os fatos mais relevantes do Brasil e do mundo direto no seu e-mail toda manhã? Clique aqui e cadastre-se na newsletter gratuita EXAME Desperta.

Publicidade

Galvão volta a trabalhar para governo federal depois de quatro anos. Em 2019, o pesquisador foi exonerado do cargo de diretor do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) após entrar em um embate com o então presidente Jair Bolsonaro sobre dados de desmatamento na Amazônia.

Agora, à frente do conselho, o pesquisador vai atuar na área de financiamento de bolsas para pesquisadores de graduação e pós-graduação, e terá o desafio de tornar a carreira acadêmica financeiramente mais atraente para os cientistas.

Isso porque os valores não sofrem um reajuste desde 2013 e, até 2022, estavam com uma defasagem de 67,97%, de acordo com um estudo realizado pela Associação Nacional de Pós-Graduandos (ANPG), que fez uma projeção a partir da inflação. A ministra Luciana Santos já declarou que pretende reajustar o valor.

Publicidade

Na gestão do ex-presidente Jair Bolsonaro, o CNPq foi um dos órgãos mais afetados por cortes. Um estudo feito pelo Observatório do Legislativo Brasileiro (OLB), um núcleo de pesquisa ligado à Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), mostrou que entre 2019 e 2021, foram 68% das receitas canceladas em média. Em 2022, os investimentos do governo federal tiveram um corte de 40% do total.

No ano passado, ele se candidatou ao cargo de deputado federal pelo partido Rede Sustentabilidade, tendo como principal bandeira o incentivo à ciência. Porém, ele não conseguiu votos suficientes para ser eleito.

Briga e exoneração

Em 2019, Galvão e Bolsonaro entraram em um atrito que culminou com a demissão do cientista. A atitude do pesquisador, então diretor do Inpe, de chamar atenção para a disparada de alertas de desmatamento registradas pelo instituto – uma alta de 40% ao longo de um ano -, foi duramente criticada pelo ex-presidente.

Publicidade

Bolsonaro chegou a dizer a jornalistas estrangeiros que os dados do Inpe eram “mentirosos” e insinuou que Galvão estaria “a serviço de alguma ONG”. Em entrevista ao Estadão, um dia depois, o pesquisador afirmou que a atitude do presidente havia sido “pusilânime e covarde”. O conflito acabou resultando na demissão de Ricardo Galvão do instituto, para o qual trabalhava desde 1970.

Mesmo assim, o nome de Ricardo Galvão não deixou de ter prestígio no mundo científico. No mesmo ano em que foi exonerado do Inpe, a Nature, uma das principais revistas científicas do mundo, o elegeu como uma das 10 pessoas mais importantes para a ciência naquele ano.

Currículo

O novo presidente do CNPq é formado em Engenharia de Telecomunicações pela Universidade Federal Fluminense (1969), é doutor em Física de Plasmas Aplicada pelo Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT, da sigla em inglês) e livre-docente em Física Experimental na USP, por onde também é professor titular aposentado do Instituto de Física da universidade.

Publicidade

No currículo, Galvão ainda foi diretor do Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas (entre 2004 e 2011), diretor do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (2016-2019), presidente da Sociedade Brasileira de Física (2013-2016) e membro do Conselho Científico da Sociedade Europeia de Física (2013-2016). Atualmente, é membro da Academia de Ciências do Estado de São Paulo e da Academia Brasileira de Ciências. É especialista em física de plasmas e fusão nuclear controlada.


Fonte: EXAME

Siga o portal Grajaú News no Google Notícias e no Canal do Telegram.

#grajaunews @grajaunews #grajau #saopaulo

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Siga-nos no Facebook

LEITORES ONLINE