Siga-nos nas Redes Sociais


Curiosidades

Radka Argirova: a cientista que contrabandeou o vírus do HIV

Publicado

dia:

Radka Argirova: a cientista que contrabandeou o vírus do HIV


Recentemente, a humanidade se viu cheia de dúvidas sobre uma nova doença: a covid-19. Especuladores e cientistas debatiam sobre o tema nos meios de comunicação e, em alguns casos, confundiam o público sobre o que era verdade e o que era mentira sobre a enfermidade.

Não foi a primeira vez que isso aconteceu. Há cerca de 40 anos, as pessoas estavam confusas e assustadas com a AIDS. A desinformação era tanta que governos não sabiam o que fazer e, movidos pelo preconceito, colocaram em risco os cidadãos do próprio país.

Publicidade

Contudo, o trabalho de cientistas foi fundamental para ajudar os países a se organizarem e enfrentarem esse desafio. Esse trabalho rendeu histórias interessantes, como a da pesquisadora Radka Argirova. Ela literalmente contrabandeou o vírus do HIV para a Bulgária, seu país.

Por que ela levou o HIV para a Bulgária?

Radka Argirova (Fonte: Reprodução: BBC Brasil)

Na década de 1980, o mundo vivia o auge da Guerra Fria, com o medo de que EUA e URSS entrassem em conflito. Entre outras coisas, essa situação gerava uma desconfiança mútua entre as duas potências.

Publicidade

A Bulgária naquela época era uma república soviética e via as infecções por HIV como um problema do mundo ocidental. Todavia, trabalhadores que viajavam para fora do país, como marinheiros, voltavam infectados, o que exigia um plano de ação por parte dos búlgaros.

Radka Argirova era uma virologista talentosa que teve a oportunidade de estudar em universidades renomadas. Ela sabia da importância de testar as pessoas sintomáticas e monitorar o comportamento do vírus.  Contudo, ela não tinha acesso ao vírus em solo búlgaro para desenvolver os testes.

Em 1985, ela participou de uma conferência sobre Leucemia. O encontro ocorreu em Hamburgo, na Alemanha Ocidental. Lá, em uma conversa informal, o pesquisador Robert Gallo perguntou à colega búlgara sobre a situação da AIDS em seu país.

Publicidade

Ela respondeu que não existia testagem e que, portanto, não tinha como responder. Gallo então pediu que um colega preparasse o vírus para ser levado à Bulgária.

As células contendo o vírus da AIDS foram colocadas em um recipiente vermelho, semelhante a uma garrafa de vinho tinto. Radka Argirova, então, contrabandeou o HIV para seu país, entrando para a história.

Robert Gallo também entrou para a história da virologia. Graças às suas pesquisas, os testes para identificar a presença de HIV se tornaram possíveis.

Publicidade

Pânico e polêmica na Bulgária

Não demorou muito para que vazasse a informação de que uma cientista búlgara havia trazido para o país o temido vírus da AIDS — embora ele já estivesse circulando entre os cidadãos do país.

A imprensa alertava a opinião pública sobre os riscos e Radka Argirova era submetida a constantes interrogatórios pelo governo. Para a sua sorte, alguns membros do governo da época compreenderam a importância do trabalho da virologista e a apoiaram.

No ano seguinte, graças à coragem da pesquisadora, 2 milhões de búlgaros haviam sido testados para a doença, em 28 centros de pesquisa. Três anos depois, em um documentário local, a pesquisadora explicava à população como o vírus era transmitido, ajudando a tranquilizar o país.

Publicidade

“Qualquer tipo de contato doméstico, como compartilhar fones de ouvido, pratos ou copos, não tem absolutamente nada a ver com a transmissão desta infecção”, explicou.

Radka Argirova falando aos búlgaros sobre o Covid-19 (Reprodução: BGNES)Radka Argirova falando aos búlgaros sobre o Covid-19 (Reprodução: BGNES)

Hoje, Radka Argirova ainda trabalha como virologista na Bulgária. Durante a pandemia de covid-19, ela ajudou os búlgaros em relação à nova doença.


Fonte: Mega Curioso

Siga o portal Grajaú News no Google Notícias e no Canal do Telegram.

Publicidade


#grajaunews @grajaunews #grajau #saopaulo

Publicidade
Publicidade

Siga-nos no Facebook

LEITORES ONLINE