Siga-nos nas Redes Sociais


Bairros

População periférica é mais atingida por covid na cidade de SP; 1 a cada 5 teve doença na zona sul

Publicado

dia:

População periférica é mais atingida por covid na cidade de SP; 1 a cada 4 teve doença na zona sul

população periférica foi a que mais contraiu a covid-19 na cidade de São Paulo, segundo inquérito sorológico apresentado pela Prefeitura de São Paulo nesta terça-feira, 13. A maior incidência do novo coronavírus se encontra nos extremos das zonas sul, leste e norte, nos distritos com os mais baixos Índices de Desenvolvimento Humano (IDH), como Grajaú, Jardim Ângela, Guaianases, Jardim Helena, Perus e Brasilândia, dentre outros. Pelos dados, um residente da zona sul tem quase quatro vezes mais chance de ter a doença do que outro da centro-oeste.

Segundo o levantamento, 13,6% da população da capital paulista contraiu o novo coronavírus, o que representa 1.614 milhão de pessoas. O número pode chegar a 15,8%, pela margem de erro, dado semelhante ao da fase 5, de 13,9%, divulgada em setembro.

Proporcionalmente, a distribuição da doença é maior na zona sul, com 19,9% de incidência para o total de moradores, isto é, praticamente um a cada cinco residentes na região contraíram a doença. Na sequência, as mais afetadas são as zonas norte (13,8%), leste (11,8%), sudeste (10,3%) e centro-oeste (5,5%) – essa última voltou aos índices das fases anteriores após ter alta em setembro (com 10,3% na época), o que pode ser por algum desvio na margem de erro (que é de 95% para os números totais).

O perfil de contágio é de pessoas jovens e adultos de até 49 anos, das classes D e E, negros e pardos, que moram em área de IDH baixo, com baixa escolaridade e que não estão em teletrabalho. “A doença jogou luz para a desigualdade social na cidade de São Paulo”, como destacou o prefeito Bruno Covas (PSDB), em coletiva de imprensa.

Como apontou o secretário municipal da Saúde, Edson Aparecido, a contaminação é mais elevada nas chamadas regiões “dormitório”, em que grande parte da população precisa se deslocar para áreas centrais para trabalhar. Ele ainda destacou que o pico de incidência na fase 5 coincidiu com uma maior flexibilização da quarentena na capital paulista. Outro dado do levantamento é que 35,3% dos casos foram assintomáticos.

O inquérito sorológico foi feito com amostras sorológicas de 2.016 adultos, que abrangem as regiões de todas as UBSs da cidade, sorteados a partir de dados de IPTU, hidrômetro e Estratégia Saúde da Família (ESF).

Os resultados apresentados são das fases 6 e 7 do inquérito sorológico feito com a população com 18 anos ou mais. Também nesta terça, ocorreu a divulgação do quarto inquérito sorológico de crianças. A Prefeitura ainda realiza, em paralelo, um censo com alunos e professores da rede municipal, que terá a primeira fase divulgada em 22 de outubro e deve servir de apoio para as decisões a respeito da volta às aulas regulares de forma presencial nas escolas. A decisão sobre a volta em 3 de novembro só acontecerá após a divulgação de dados do censo sorológico.

Reabertura de parques municipais nos fins de semana será avaliada em 15 dias

O secretário Edson Aparecido também declarou que uma possível reabertura dos parques municipais nos fins de semana e feriados será avaliada em 15 dias. Segundo ele, primeiro é necessário analisar se haverá alteração na tendência de queda dos números de internações, casos e óbitos da covid-19 com a reabertura de cinemas, teatros e outros espaços culturais, anunciada na semana passada, quando a capital entrou na fase verde.

Setenta dos 108 parques municipais estão abertos ao público desde julho, com funcionamento em horário normal desde agosto. A liberação dos espaços nos fins de semana tem resistência dentro da gestão municipal pela alta frequência de visitantes nos sábados e domingos antes da pandemia, com aglomerações.

Sobre o tema, Covas pediu “paciência” da população. “Estamos colecionando bons índices, São Paulo não teve que retroceder agora em nenhuma atividade que foi reaberta. Mas o vírus ainda é uma realidade a ser enfrentada”, destacou. “Ainda não é o momento de estimular aglomeração na cidade de São Paulo.”

Publicidade
Clique e Comente

Você precisa estar logado para postar um comentário Entrar

Deixe uma resposta

Publicidade

Siga-nos no Facebook

Mais Lidas