Siga-nos nas Redes Sociais


Policial

Policiais acusados de matar homem em ‘câmara de gás’ são denunciados por tortura de jovens – Notícias

Publicado

dia:

Policiais acusados de matar homem em 'câmara de gás' são denunciados por tortura de jovens - Notícias


O MPSE (Ministério Público Federal de Sergipe) ofereceu denúncia nesta segunda-feira (24) contra os policiais rodoviários federais Clenilson José dos Santos, Paulo Rodolpho Lima Nascimento e William de Barros Noia pela suposta tortura de dois jovens, um de 23 anos e outro menor de idade, durante uma abordagem policial em 23 de maio, na cidade de Umbaúba (no interior de Sergipe, a 100 km de Aracaju). Em outra ação penal, Nascimento e Noia também foram denunciados pelo assassinato de Genivaldo de Jesus Santos, morto dentro de uma viatura sufocado por gás.


A denúncia tramita na 7ª Vara Federal de Sergipe, sob a responsabilidade do juiz Rafael Soares Souza. De acordo com o MPF, os policiais, que integram o Grupo de Motopoliciamento Tático da Superintendência Regional da Polícia Rodoviária Federal em Sergipe, solicitaram aos rapazes que parassem para uma abordagem. Eles teriam resistido à ordem, o que, em tese, motivou os agentes a agredi-los com “pisões no corpo e no rosto, chutes, tapas e ameaças, como castigo pessoal por não terem obedecido”.



O ato, de acordo com as investigações, foi tipificado como crime previsto na Lei de Tortura e tem uma pena que pode chegar a oito anos. Segundo o MPF, duas agravantes devem incidir sobre o caso: o fato de uma das vítimas ser menor de idade e o da autoria do crime ser de um agente público. Caso sejam condenados, os três policiais serão exonerados de sua função.


Santos, Nascimento e Noia, de acordo com a Procuradoria, “submeteram dois jovens a intenso sofrimento físico e mental”. As lesões provocadas nos rapazes foram confirmadas pelo Instituto Médico Legal, e cinco testemunhas teriam presenciado tanto as agressões quanto a ausência de qualquer reação por parte das vítimas.


A morte de Genivaldo Jesus dos Santos aconteceu no dia 25 de maio, na mesma cidade, apenas dois dias depois da agressão aos dois rapazes. Eles registraram ocorrência no dia 27 daquele mês, depois da repercussão que teve o caso de Genivaldo. A Justiça determinou a prisão preventiva de Nascimento e Noia no último dia 14.


Até a publicação deste texto, a reportagem buscou contato com a defesa dos policiais Clenilson José dos Santos, Paulo Rodolpho Lima Nascimento e William de Barros Noia, mas sem sucesso. O espaço está aberto para manifestação.


#grajaunews @grajaunews #grajau #saopaulo

Publicidade
Publicidade

Siga-nos no Facebook

LEITORES ONLINE