Siga-nos nas Redes Sociais


Últimas Notícias

Papa Francisco pede perdão por abusos em internatos católicos para indígenas no Canadá – 01/04/2022

Publicado

dia:

Ucrânia acusa Exército russo de deportar 6 mil habitantes de Mariupol - 24/03/2022

Cidade do Vaticano, 1 Abr 2022 (AFP) – O papa Francisco pediu “desculpas” nesta sexta-feira (1) pela tragédia da violência exercida durante décadas em internatos católicos para indígenas no Canadá e expressou o desejo de viajar ao país no fim de julho.

“Peço perdão a Deus e me uno aos meus irmãos bispos canadenses para pedir desculpas”, declarou o sumo pontífice, durante uma audiência no Vaticano diante das delegações métis, inuítes e das primeiras nações do Canadá.

Pelas vozes dos indígenas “recebi, com grande tristeza no coração, os relatos de sofrimentos, privações, tratamentos discriminatórios e diversas formas de abusos sofridos por vários de vocês, especialmente nos internatos”, declarou o papa argentino.

Francisco criticou a “colonização ideológica” e a “ação de assimilação” da qual “tantas crianças foram vítimas”.

O papa também expressou o desejo de viajar ao Canadá no fim de julho para transmitir sua “proximidade” com os povos indígenas.

“Gostaria de estar com vocês este ano para a celebração de Santa Ana em 26 de julho”, declarou.

A Igreja Católica do Canadá apresentou em setembro do ano passado um pedido de desculpa formal aos povos indígenas, após a descoberta de mais de 1.000 túmulos perto de antigos internatos, onde as crianças foram isoladas de suas famílias, do idioma e de sua cultura, como política de assimilação forçada das chamadas Primeiras Nações.

A descoberta em fevereiro de mais 54 sepulturas sem identificação em dois antigos colégios residenciais católicos para nativos voltou a provocar grande comoção no país, com revelações sobre uma página sombria de sua história.

Entre o fim do século XIX e a década de 1980, quase 150.000 crianças indígenas, métis e esquimós foram recrutadas à força em 139 internatos no Canadá.

Milhares delas morreram, em sua maioria de desnutrição, doenças ou negligência, no que o Comitê para a Verdade e a Reconciliação chamou de “genocídio cultural”, de acordo com um relatório de 2015. Outros foram abusados física ou sexualmente.

Publicidade

Siga-nos no Facebook

LEITORES ONLINE

AS MAIS LIDAS DO MÊS