Siga-nos nas Redes Sociais


Últimas Notícias

Novo parque em Niterói busca melhorar água e vegetação de lagoa

Publicado

dia:

Folha da Minha Sampa - Pautando a Região


Um novo parque, que está sendo criado em Niterói, na região metropolitana do Rio, busca criar uma alternativa de lazer para moradores, replantar mudas nativas e melhorar a qualidade da água da Lagoa de Piratininga. A área a ser revitalizada tem 680 mil metros quadrados.

Batizado de Parque Orla Piratininga Alfredo Sirkis (POP), o espaço contará com ciclovias, píeres para contemplação da lagoa e para pesca, mirantes, quadras esportivas, parquinhos, áreas de ginástica e um centro ecocultural, integrados ao ecossistema natural.

Publicidade

Além da infraestrutura de lazer, também estão sendo instalados reservatórios para sedimentação de resíduos sólidos, jardins filtrantes (com plantas que limpam a água) e valas de coleta de águas pluviais, com o objetivo de evitar o deságue de esgoto e poluentes na Lagoa de Piratininga. Um viveiro de mudas também permitirá a produção de plantas nativas para substituir espécies exóticas (que não pertencem ao ecossistema).

Foto: Reprodução/Agência Brasil

“O entorno da lagoa não tinha nenhum manejo vegetal. A maioria das espécies é exótica invasora, o que prejudica a biodiversidade, já que não atrai pássaros. Estamos trocando por plantas nativas, para atrair avifauna e polinizadores”, explica Andrea Maia, uma das biólogas do parque.

A ideia é que sejam plantadas no entorno da lagoa quase 8 mil mudas de espécies nativas. Segundo o engenheiro que supervisiona as obras, José Carlos Planave, a previsão é que a maior parte das obras esteja concluída até maio de 2023.

Publicidade

Outra parte da intervenção, que inclui a urbanização de uma comunidade às margens da lagoa, deverá ser entregue posteriormente.

Jacarés

Durante as obras de instalação do parque, os operários tiveram uma surpresa. Cerca de 25 filhotes de jacaré-do-papo-amarelo (Caiman latirostris) foram encontrados em um canal de cintura, criado anos atrás para concentrar as águas vindas da rede pluvial do entorno da lagoa. Os animais usavam as plantas do local para se esconder de predadores.

Foto: Reprodução/Agência Brasil
Foto: Reprodução/Agência Brasil

Os biólogos perceberam, então, que as margens da Lagoa de Piratininga são uma zona de reprodução de jacarés. Desde então, já foram identificados também quatro adultos e uma área de nidificação da espécie, próxima ao local onde os filhotes foram encontrados.

Quando os operários perceberam que havia filhotes no local, as intervenções foram paralisadas e o projeto foi adaptado para proteger a espécie. “Nós delimitamos uma área, onde vamos proteger a borda do canal e fazer o manejo das plantas macrófitas [a vegetação aquática] desse canal. Essas plantas filtram a água e protegem os animais que vivem ali. Nós vamos fazer um berçário que não tem nada de artificial”, conta Andrea Maia.

Publicidade

A ideia é proteger o ciclo natural dos animais, sem interferência humana. Além disso, o ambiente preservado permite não apenas o nascimento dos répteis, mas também a existência de alimentos para que eles cresçam e também se reproduzam.

Siga o portal Grajaú News no Google Notícias e no Canal do Telegram.

#grajaunews @grajaunews #grajau #saopaulo

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Siga-nos no Facebook

LEITORES ONLINE