Siga-nos nas Redes Sociais


Curiosidades

Meteorito pode ser a explicação de como os oceanos se formaram

Publicado

dia:

Meteorito pode ser a explicação de como os oceanos se formaram


Há mais de 4,6 bilhões de anos, de uma mistura de poeira e gás ao redor do jovem Sol, a Terra foi formada graças a inúmeras colisões entre partículas de poeira, asteroides e outros planetas em desenvolvimento; incluindo o último impacto que lançou rocha, gás e poeira suficientes no espaço para que seu satélite natural fosse formado – a Lua.

Em seus primeiros dias de vida, a Terra era um oceano imenso de magma, demorando 100 milhões de anos para que o processo de acreção se concretizasse. Enquanto dançava ao redor do Sistema Solar, colidindo com outras massas, a temperatura do topo de sua atmosfera atingiu mais de 1.500?°C.

Publicidade

Levou cerca de 500 milhões de anos para que o planeta se tornasse habitável. Mas se tudo era puro fogo, como os oceanos se formaram na Terra?

A pedra que veio do céu

(Fonte: Doug Allan/Getty Images)

A princípio, existia a ideia de que cometas gelados choveram sobre a Terra em algum momento, porém os cientistas entraram em conflito porque a química da água hoje, que compõe cerca de 70% da superfície terrestre, seria bem diferente.

Publicidade

Em 2021, o poderio científico parece ter encontrado uma pista que soluciona esse mistério. Um condrito carbonáceo, uma espécie rara de meteorito, que choveu em pedaços ao redor da cidade de Winchcombe, na Inglaterra, reforçou a ideia de que rochas espaciais trouxeram componentes químicos importantes, como a água, para o nosso planeta há bilhões de anos.

(Fonte: Diego Barucco/Dreamstime/Reprodução)(Fonte: Diego Barucco/Dreamstime/Reprodução)

Pesando mais de 500 gramas ao todo, os detritos foram coletados por historiadores do London’s Natural History Museum (NHM) de jardins, calçadas e campos locais depois que uma bola de fogo gigante iluminou o céu noturno da cidade interiorana.

Assim que foram catalogados, os pedaços de meteorito foram distribuídos para laboratórios espalhados pela Europa para que fossem analisados. 

Publicidade

Os detritos espaciais foram aquecidos, salpicados com elétrons, radiografados e atingidos com lasers para testar sua composição. Uma análise mostrou que a água contida neles constitui 11% de seu peso, com uma proporção muito semelhante de diferentes tipos de átomos de hidrogênio que a água terrestre carrega.

A resposta de bilhões de anos

(Fonte: Natural History Museum/Reprodução)(Fonte: Natural History Museum/Reprodução)

“Os demais meteoritos foram comprometidos de alguma forma pelo ambiente terrestre, mas não o que caiu em Winchcombe.”, disse o autor do estudo, Dr. Ashley King, do NHM, em entrevista à BBC News. Isso devido à velocidade com que foi recolhido, em apenas 12 horas, impedindo que os detritos absorvessem muita água terrestre ou qualquer tipo de contaminante.

Ou seja, quando sua composição foi medida, os pedaços apresentaram uma composição fiel a sua origem, levando os cientistas de volta ao início do Sistema Solar. Nenhuma procura guiada, como as expedições espaciais, poderia ter contato com algo tão primitivo. A água analisada continha deutério, um tipo mais pesado de hidrogênio, com a proporção chegando mais perto daquela que constitui a atmosfera do nosso planeta.

Publicidade

(Fonte: Tom Wren/SWNS/Reprodução)(Fonte: Tom Wren/SWNS/Reprodução)

Por meio de testes e analisando vídeo de câmeras de rastreamento de meteoros espalhadas pelo mundo todo, os cientistas descobriram que o meteorito veio de um asteroide orbitando em Júpiter, levando cerca de 300 mil anos para chegar à Terra.

Para nós, parece muito tempo, mas não do ponto de vista geológico. Os condritos carbonáceos chegaram muito rapidamente aqui, caso contrário não teriam sobrevivido por serem quebradiços e friáveis a ponto de se desintegrarem.

Para Ashley King, cientista do NMH, a queda de asteroides ricos em água é a melhor indicação de onde a água na Terra veio.

Publicidade

Fonte: Mega Curioso

Siga o portal Grajaú News no Google Notícias e no Canal do Telegram.

#grajaunews @grajaunews #grajau #saopaulo

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Siga-nos no Facebook

LEITORES ONLINE