Siga-nos nas Redes Sociais


Política

Lula diz que acabará com sigilo de cem anos imposto por Bolsonaro

Publicado

dia:

Lula diz que acabará com sigilo de cem anos imposto por Bolsonaro

Reprodução/Twitter – 06.09.2022

Lula participou de comício do PT em Porto Alegre

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva
(PT)
voltou a dizer nesta sexta-feira que, se for eleito, vai acabar com os decretos de sigilo de cem anos emitidos pelo presidente Jair Bolsonaro
(PL) sobre temas controversos nos últimos anos. A declaração foi dada durante um comício do petista em Porto Alegre
.

“Bolsonaro pode estar certo de que o Lulinha paz e amor vai quebrar todos os sigilos dele e nós vamos saber o que ele estava escondendo”, afirmou o ex-presidente Lula, que lidera as pesquisas de intenção de voto.

O presidente Bolsonaro colocou sigilo em uma série de informações ao longo de seu mandato, como seu cartão de vacinação e informações sobre crachás de seus filhos Eduardo e Carlos para acessar o Planalto.

Também foi colocado em sigilo pelo Exército um processo sobre a ida do general Eduardo Pazuello, ex-ministro da Saúde, a um ato bolsonarista no Rio de Janeiro. A presença de militares em atos de proselitismo político é vedada a oficiais da ativa.

O ato petista durou mais de duas horas e reuniu uma multidão no Largo Glênio Peres. Acompanharam o ex-presidente e discursaram também lideranças como a ex-presidente Dilma Rousseff (PT), a presidente do PT Gleisi Hoffmann e os candidatos petistas ao governo do Rio Grande do Sul, Edegar Pretto, e ao Senado, Olívio Dutra, além da ex-deputada Manuela D’Ávila (PC do B).

Nas falas, todos exortaram apoiadores a fazerem campanha para tornar possível uma vitória de Lula já no primeiro turno.

Em sua fala, o ex-presidente Lula também voltou a dizer que os bolsonaristas “são fanáticos” e “às vezes têm comportamento agressivo” e disse que a militância deve “ficar alerta” com eventuais mentiras disseminadas por adversários políticos nas redes sociais.

Ao comentar uma possível rejeição do setor do agronegócio a sua candidatura, Lula atribuiu o fato supostamente à sua defesa do desmatamento zero na Amazônia.

“Não tenho problema com o agronegócio, eles são úteis ao Brasil, produzem em larga escala, exportam muito. Mas por que eles não gostam de nós se a Dilma quando foi presidenta colocou mais dinheiro para financiar a agricultura do que qualquer outro presidente? Eles não gostam de nós porque sabem que vai acabar essa história de invadir a Amazônia”, disse. Também citou ser contra a exploração de garimpos em terras indígenas.

O ex-presidente também voltou a dizer que o teto de gastos aprovado no governo de Michel Temer
(MDB) vai acabar em um eventual novo governo Lula.

“Tem gente que fala o seguinte: ‘Lula, você precisa conversar com o sistema financeiro. O sistema financeiro quer conversar com você’. Eu fico pensando o que o sistema financeiro quer conversar comigo. No mínimo, quer pedir para eu manter o teto de gastos, e eu não vou manter. Vou acabar com o teto de gastos, porque responsabilidade não precisa ter lei”, disse Lula.

O ex-presidente citou que nos governos petistas houve superávit. “A gente juntou dinheiro que este país nunca teve. Precisou do PT
para pagar a dívida com o FMI (Fundo Monetário Internacional) e ainda juntar US$ 370 bilhões que estão até hoje sendo a garantia deste país”, salientou, em referência às reservas internacionais do Brasil.

Entre no 
canal do Último Segundo no Telegram

e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Publicidade

Siga-nos no Facebook

LEITORES ONLINE

AS MAIS LIDAS DO MÊS