Siga-nos nas Redes Sociais


Bairros

Jovens do Grajaú, em SP, usam wi-fi grátis das ruas para produzir hip-hop

Publicado

dia:

Jovens acessam internet em Praça de wi-fi para produzir música no Grajaú. Foto - Tamires Rodrigues

Enquanto o app Wordpad está aberto em uma aba do celular para escrever letras de rap, em outras duas abas um grupo de jovens estão conectados com o Google Música, para ouvir instrumentais de Hip Hop.

A essa altura, os olhares já estão atentos no WhatsAap para alastrar a informação para o restante dos amigos que as produções já começaram no Calçadão Cultural do Grajaú, uma praça de wi-fi que conecta as juventudes de todo o bairro, por ser um ponto de encontro central do território.

A cada 30 minutos o sinal do wi-fi é reiniciado pelo serviço gratuito da Google Station, as novas estações de acesso ao internet grátis que estão sendo implementadas pela cidade de São Paulo em parceria com a empresa global de serviços de informação e tecnologia.

Durante esse período, um grupo de jovens que ocupam o Calçadão Cultural do Grajaú, na zona sul de São Paulo desfruta do uso de aplicativos de streaming de música, mensagens instantâneas e de produção de texto para dar vida a uma paixão que os une: letras e batidas de rap.

O wi-fi livre está disponível em 120 praças e parques da cidade. No Calçadão Cultural do Grajaú, o acesso a internet grátis se torna mais um elemento de conexão da juventude local com a efervescência cultural que existe no distrito.

Ali rolam shows, intervenções poéticas, batalhas de rima, peças de teatro e muito mais, devido à existência de uma série de artistas que movimentam o calçadão e o Centro Cultural do Grajaú, um espaço público de cultura que está integrado à praça.

“Aqui na praça é o point”, afirma Matheus Silva de 18 anos, um jovem frequentador da praça e morador da região. Uma das coisas que ele mais gosta de fazer na praça é encontrar a galera e mandar suas rimas, pra isso ele da uma salve nos amigos pelo WhatsApp logo quando o wi-fi conecta no seu celular. “Às vezes a gente chega sozinho e usa internet pra chamar os parceiros”, descreve Silva sobre sua rotina no local.

Contrariando o interesse de muitos jovens que estão espalhados pelo Calçadão Cultural com olhares fixados no smartphone, Silva enfatiza que não curte tanto as redes sociais e sim gastar suas atenções na sua maior paixão: o rap.

Ele conta que um dos aplicativos que mais usa são o Google Música e o WordPad para escrever todos seus pensamentos naquele exato momento e que podem ser transformados em letras de rap. “A bateria do celular vai toda com um beat, a gente esquece do WhatsApp”, explica o jovem, sobre o impacto da concentração na produção musical para enviar e responder mensagens dos amigos que estão a caminho do seu encontro.

Com seus amigos, ele produz músicas de rap e faz apresentações ali mesmo no Calçadão Cultural, enquanto estão elaborando novas letras. Um dos parceiros de Matheus nesse processo é o jovem Davi Ferreira, mas conhecido como Kovu, com 17 anos.

Kovu é integrante de um grupo de Trap da região: o Graja Atlanta. O Trap, estilo musical que mescla música eletrônica e Hip Hop tem ganhando a juventude com suas batidas e letras.

Ele conta que escreve desde 12 anos de idade só por diversão e essa brincadeira acabou virando profissão. Há dois anos, o jovem está rimando e produzindo músicas.

Davi relembra que um dos shows que ele fez e que mais o impactou foi realizado no Centro Cultural do Grajau, aonde tudo começou. “A primeira vez que toquei aqui foi muito magico, foi outras ideias sabe.”

A partir destas experiências culturais, o ponto de acesso ao wi-fi vai além do papel de viabilizar o acesso a internet, fazendo com que a juventude local tenha um ponto de referência para se conectar e produzir arte.

“Você vem aqui pra dar uma desbaratinada e usar o wifi, mas sempre ta tendo alguma coisinha aqui, sempre tem alguma atividade: um sarau ou um pessoal vendendo uma arte.

Aqui é o ponto de referência do role todo sabe”, descreve Davi ao lado de um grupo de jovens entusiasmados com as produções que eles estão elaborando na praça de wi-fi.

Em 2019, o Centro cultural do Grajau completa cinco anos desde a inauguração do espaço que tem mais de três mil metros quadrados e uma grande diversidade de atividades artísticas.

O jovem Matheus resume o seu apreço pelo local ressaltando a importância que a Praça possui para viabilizar momentos únicos para exercício de diferentes formas de enxergar a vida. “A gente adora aquele momento que a gente pode ter liberdade de expressão, ser quem a gente é sabe? Expressar o que a gente quer expressar, falar tudo que a gente pode, sem diferenças e aberto pra todo mundo.”.

Esse grupo de amigos, que também são artistas, jovens e moradores do Grajaú estão subvertendo a lógica de individualização das relações oriunda do consumo da internet, utilizando o Wi-Fi como meio para construir pontes e se conectar fisicamente com outras pessoas para fazer sua arte.

Para a juventude que frequenta o Calçadão Cultura do Grajaú, a internet está a serviço da preservação das suas relações humanas, criando vínculos e laços afetivos, por meio da cultura Hip Hop.

Com uma expressão alegre e de consciência coletiva sobre o que aquela Praça de Wi-Fi representa para eles, o grupo de amigos entoa: “aqui é a concentração da nossa quebrada, todo mundo que faz rap cola aqui, todo mundo.”

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Grajaú News

Fonte: UOL

Publicidade
Clique e Comente

Você precisa estar logado para postar um comentário Entrar

Deixe uma resposta

Publicidade

Siga-nos no Facebook

Mais Lidas