Siga-nos nas Redes Sociais


Bairros

Fotos de antes da pandemia, só que não

Publicado

dia:

© Rogério Pallatta/Veja SP Largo da Batata na última sexta (25): grupos reunidos e vendedores de bebida

Badalação no Itaim Bibi, em Pinheiros e na região central não é uma novidade paulistana. O problema é que, apesar de mais de um ano de pandemia, ruas tradicionalmente boêmias seguem como pontos de encontro para jovens e vendedores ambulantes que desrespeitam a obrigatoriedade do uso de máscara, o distanciamento social e o toque de recolher do governo estadual, válido das 21h às 5h durante a fase de transição do Plano São Paulo, que vai pelo menos até 15 de julho.

Madrugada adentro, frequentadores usam o espaço público para beber, dançar e ouvir música, enquanto a ocupação dos leitos de UTI na capital segue na faixa dos 70%, segundo dados da plataforma SP Covid-19 Info Tracker. No dia 25 de junho, uma sexta-feira, a reportagem de VEJA SÃO PAULO percorreu endereços da cidade conhecidos como pontos de encontro para aglomerações. A partir das 21h30, rodamos da Zona Sul até a região central, fotografando multidões que se divertiam ao ar livre sem incômodo de nenhum tipo de fiscalização. CEPs como o da Guaicuí, em Pinheiros, e a Professor Atílio Innocenti, no Itaim, ficam cheios após as 21h, mesmo quando os estabelecimentos fecham as portas. Em locais como a Édson Dias, bares operam, contrariando outra regra do Plano São Paulo, que permite o funcionamento das 6h às 21h.

Segundo o infectologista Jamal Suleiman, do Hospital Emílio Ribas, encontros em ambientes abertos não impedem a transmissão do vírus, principalmente quando as máscaras não são utilizadas. “O contágio ao ar livre é baixo desde que não haja aglomeração”, explica o médico. “Não é um evento rápido, é uma interação social. Fatalmente vão, por exemplo, dividir um copo.”

Até o fim de junho, apenas 10% da população do município estava imunizada com duas doses de vacinas contra a Covid-19. “O mais seguro é que tenhamos pelo menos 80% de imunes. Como as vacinas dão graus diferentes de imunidade esterilizante (capacidade de evitar totalmente as infecções por Covid-19), a proteção é uma combinação de fatores”, afirma a infectologista Mirian Dal Ben, do Hospital Sírio-Libanês.

Procurada sobre a aglomeração nesses pontos de encontro frequentes, a prefeitura, da gestão Ricardo Nunes (MDB), afirma que “apoia as ações de fiscalização do governo do estado. É fundamental que as pessoas mantenham distanciamento, evitando aglomerações e usem máscaras”. A Secretaria de Segurança Pública, da gestão João Doria (PSDB), afirma que flagrou mais de 38 000 aglomerações e 15 000 pessoas foram presas nessas ações. “As polícias Civil e Militar participam das operações em pontos de aglomerações e eventos clandestinos.”

Secretaria de Estado da Saúde diz que a Vigilância Sanitária Estadual realizou, de julho de 2020 a 14 de junho de 2021, 328 123 inspeções e 7 886 autuações por descumprimento das regras do Plano São Paulo. A pasta diz que o desrespeito das medidas por parte dos estabelecimentos pode levar a multas de até 290 000 reais e a falta de uso de máscaras, a infrações de 552 reais. Em junho, até o dia 28, a Vigilância recebeu 13 747 denúncias de violações de medidas sanitárias. Relatos do tipo podem ser feitos pelo telefone 0800 771 3541.

Publicidade

Siga-nos no Facebook

LEITORES ONLINE

AS MAIS LIDAS DO MÊS