Siga-nos nas Redes Sociais


Saúde

Conheça o poder das plantas medicinais e dos fitoterápicos para a saúde

Publicado

dia:

Conheça o poder das plantas medicinais e dos fitoterápicos para a saúde

Redação EdiCase

Conheça o poder das plantas medicinais e dos fitoterápicos para a saúde

O Brasil é conhecido por guardar uma das maiores biodiversidades do planeta. Muitos medicamentos disponíveis hoje no mundo surgiram de estudos desenvolvidos a partir da cultura popular, que utilizava os ingredientes disponíveis na natureza como remédio para diversas doenças.  

Diferença entre plantas medicinais e fitoterápicos

Existe uma diferença entre as denominações plantas medicinais e fitoterápicos. De acordo com a farmacêutica Luciana Calazans, as plantas medicinais são aquelas capazes de aliviar ou curar enfermidades e são utilizadas tradicionalmente como remédio em uma população ou comunidade.  

“É preciso conhecer a planta e saber onde colhê-la e como prepará-la”, alerta a farmacêutica. Quando a planta medicinal é industrializada para a elaboração de um medicamento, tem-se como resultado o fitoterápico. 

Plantas medicinais no tratamento de doenças 

A utilização de plantas medicinais no tratamento de enfermidades é uma das formas mais antigas de cura e foi consolidada a partir da sabedoria popular. Porém, com o passar dos anos e com os avanços científicos da medicina, essa prática perdeu espaço para os medicamentos sintéticos. Após alguns anos, plantas medicinais e fitoterápicos são muito importantes na cura de diversas doenças, mas também devem seguir normas de preparo e consumo. 

Importante conhecer os efeitos 

Ao contrário do que muitos pensam, as plantas medicinais possuem princípios ativos e, quando utilizadas de maneira incorreta, podem gerar reações adversas. “Algumas plantas possuem contraindicações de uso, assim como qualquer outro medicamento. Nesse sentido, deve-se conhecer a procedência da planta, a parte utilizada, forma de utilização, posologia, modo de uso, via de administração e indicações terapêuticas. Além disso, o medicamento deve ser adquirido em uma farmácia que possa garantir a procedência e qualidade das plantas”, indica Thiago Braz, farmacêutico pela Universidade de São Paulo (USP).

De acordo com Luciana Calazans, as plantas medicinais devem ser empregadas seguindo orientações de um médico, nutricionista ou farmacêutico. “Um dos problemas mais frequentes com a interação medicamento-planta é o efeito sinérgico. Por exemplo, a ginkgo biloba tem efeito anticoagulante, assim como o ômega 3, a linhaça e o ácido acetilsalicílico (ASS), se a pessoa estiver utilizando todos esses produtos, correrá sério risco de hemorragias”, explica. Ela também alerta para o efeito laxante de algumas ervas que, associadas a outros medicamentos, podem ter efeito muito intenso e abortivo. 

Preparo correto

Outro aspecto importante é saber como preparar o medicamento com as plantas, pois dependendo do objetivo, o modo de preparo pode variar. “De acordo com o ativo que se quer extrair da planta, você utiliza um método específico, já que em uma mesma planta coexistem vários fotoquímicos (ativos). Se esse ativo estiver em partes mais tenras, por exemplo, folhas, ele não pode ser colocado em decocto, e sim em uma infusão”, explica a farmacêutica. 

Para definir o modo de preparo e como utilizar os medicamentos naturais e fitoterápicos, o Formulário de Fitoterápicos – Farmacopeia Brasileira , da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), apresenta uma lista com as quantidades certas de cada ingrediente, as advertências e as contraindicações.  

Siga o portal Grajaú News no Google Notícias e no Canal do Telegram.



#grajaunews @grajaunews #grajau #saopaulo

Publicidade

Siga-nos no Facebook

LEITORES ONLINE

AS MAIS LIDAS DA SEMANA