Siga-nos nas Redes Sociais


Últimas Notícias

Carnaval: Baixo Augusta lota o Anhangabaú pós-reforma – 24/04/2022 – Cotidiano

Publicado

dia:

Carnaval: Baixo Augusta lota o Anhangabaú pós-reforma - 24/04/2022 - Cotidiano

O primeiro grande evento depois da reforma do Anhangabaú (região central) forrou o chão do vale. Uma multidão de mais de 20 mil pessoas tomou conta da arena montada para receber o Festival do Baixo Augusta, que fechou, neste domingo (24), o Carnaval de abril em São Paulo.

O Acadêmicos do Baixo Augusta contou com o apoio da iniciativa privada e estabeleceu regras para que o público adentrasse a arena cercada do vale. Os foliões precisavam fazer um cadastro prévio, gratuito, além de apresentar comprovante de vacinação contra a Covid-19 com ao menos duas doses.

Presidente do bloco, Alê Youssef ficou feliz com o resultado do evento, embora tenha ressaltado que o formato difere daquele adotado antes da pandemia, com desfile pelas ruas. “É gratuito, com segurança, certo conforto, com tudo”, disse. “Foi impressionante voltar e ver essa multidão aqui”, completou.

A rainha do bloco, Alessandra Negrini, lamentou pelas pessoas que morreram durante a pandemia e deu o tom da esperança de virada na maré que varreu o Brasil nos últimos anos. “A gente vai passar por esse período de trevas que estamos vivendo com esse governo”, afirmou.

A Covid levou inclusive integrantes do próprio bloco, que foram lembrados em diversos momentos durante a apresentação. Viúva de Marinho do Cavaco, músico do Baixo Augusta, a corretora Claudia Mara Gonzalez, 56, chorou ao ouvir a interpretação de “A Amizade”, do Fundou de Quintal.

“Ele amava esse bloco. O que eles estão fazendo é maravilhoso, porque [as vítimas do coronavírus] estão sendo lembrados. É difícil, mas é bom saber que ele [Marinho] está entre nós, eu tenho certeza disso”, afirmou Claudia.

O Carnaval no Anhangabaú despertou emoções as mais variadas. A engenheira civil Karina Chaves esperava “trintar” em meio aos blocos em fevereiro. Fez aniversário, mas foi obrigada a esperar dois meses para celebrar em meio ao povo.

“Agora estamos todos aqui juntos, compartilhando”, disse. “É muito bom, mas importante dizer que precisamos tomar alguns cuidados, como apresentar comprovante de vacina.”

A limitação de acesso, porém, deixou do lado de fora muita gente que gostaria de participar da festa. “Entrei no site [para fazer o cadastro], mas estava esgotado. Vim do Rio de Janeiro, queria curtir o Carnaval aqui em São Paulo, mas fiquei na saudade”, disse o modelo e ator Ramiro Júnior, 27.

Publicidade

Siga-nos no Facebook

LEITORES ONLINE

AS MAIS LIDAS DO MÊS