Siga-nos nas Redes Sociais


Brasil

Capitais adotam restrições mais rígidas para tentar frear pandemia

Publicado

dia:

Com o aumento do número de casos de covid-19, capitais brasileiras ampliaram restrições para tentar conter o avanço do coronavírus. São 9 capitais e o Distrito Federal que agora adotam regras mais rígidas para diminuir a circulação de pessoas nas cidades.

Em Goiânia, a partir de 2ª feira (8.mar.2021) e pelos próximos 7 dias, apenas serviços essenciais podem funcionar. As novas regras passaram a valer no mesmo dia em que a taxa de ocupação de leitos de UTI (unidade de terapia intensiva) da prefeitura alcançou 99%. A cidade também não conta com nenhuma vaga de enfermaria disponível.

Em Brasília a situação também é crítica. Os leitos de UTI voltados para a covid-19 estavam 93,5% ocupados até a manhã desta 3ª feira (9.mar). O HRAN (Hospital Regional da Asa Norte), referência para o tratamento de infectados pelo coronavírus, atingiu o seu limite e precisou transformar uma de suas recepções em enfermaria para tratar os doentes e dar conta da demanda.

Além do toque de recolher das 22h às 5h em Brasília, anunciado na 2ª feira (8.mar), o governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB), decretou estado de calamidade pública na área da saúde em toda a unidade federativa. A medida foi publicada no Diário Oficial (íntegra – 2,5 MB) nesta 3ª feira (9.mar) e vai valer “enquanto perdurar os efeitos da pandemia do novo coronavírus“.

Em Porto Velho, capital de Rondônia, as medidas de restrição também foram alteradas na 2ª feira (8.mar). A cidade agora tem um toque de recolher das 21h às 6h durante todos os dias da semana. Mas, fora desse horário, comércios e serviços não essenciais podem funcionar.

Em Belo Horizonte, desde sábado (6.mar), apenas serviços essenciais podem funcionar. Bares e restaurantes podem ficar abertos se atenderem apenas em serviço drive-thru e delivery. A decisão foi tomada após a cidade identificar 3 novas variantes do coronavírus, incluindo a variante brasileira e a britânica.

Em Tocantins, a prefeitura de Palmas decretou novas medidas de restrição também no sábado (6.mar). Válido até 16 de março, o decreto suspendeu todas as atividades não essenciais, inclusive as religiosas.

Já em Natal, decreto publicado na última 6ª feira (5.mar) reduziu os horários para atividades comerciais. Na capital do Rio Grande do Norte, shoppings podem funcionar até as 20h e bares e restaurantes, até as 21h. As praias ficam fechadas durante os finais de semana.

Outras 4 capitais já tinham restrições anunciadas e seguem com as novas regras para tentar diminuir o contágio pelo coronavírus.

Em Salvador, o comércio funciona com restrições desde 26 de fevereiro. Em 3 de março, o prefeito Bruno Reis (DEM) afirmou que a cidade estava em “pré-colapso“. Todos os serviços não essenciais não podem mais funcionar a partir das 20h até as 5h da manhã. Até 2ª feira (8.mar), a taxa de ocupação de UTI da cidade estava em 100%. Os leitos clínicos estão 86% ocupados.

Em Aracaju, capital do Sergipe, serviços não essenciais não podem funcionar das 22h às 5h. É similar ao que acontece na capital do Maranhão, São Luís, em que todos os serviços não essenciais ficam proibidos de abrir das 21h às 8h.

Já em Fortaleza, nenhum serviço essencial pode funcionar desde 6ª feira (5.mar), independentemente do horário. Até o sábado (6.mar), último dado disponível, as UTIs da capital cearense tinham taxa de ocupação de 92,2%.

Publicidade
Clique e Comente

Você precisa estar logado para postar um comentário Entrar

Deixe uma resposta

Publicidade

Siga-nos no Facebook

LEITORES ONLINE

Mais Lidas