Siga-nos nas Redes Sociais


Últimas Notícias

apesar dos ataques em Odessa, Ucrânia prepara portos para exportar cereais

Publicado

dia:

apesar dos ataques em Odessa, Ucrânia prepara portos para exportar cereais

A invasão russa da Ucrânia entrou em seu sexto mês neste domingo (24), um dia após os ataques no porto de Odessa ameaçarem a implementação do acordo sobre a retomada das exportações de grãos bloqueadas pela guerra. Embora Kiev culpe um diálogo impossível com Moscou, os russos dizem que visavam um alvo militar não relacionado ao trigo. E, no local, as autoridades continuam a preparar seus portos para futuras exportações.

Moscou disse neste domingo ter destruído no dia anterior um navio de guerra e mísseis fornecidos pelos EUA no porto, um local vital para o comércio de grãos da Ucrânia.

“Mísseis de alta precisão de longo alcance disparados do mar destruíram um navio militar ucraniano no cais e um estoque de mísseis anti-navio Harpoon fornecidos pelos Estados Unidos ao regime de Kiev”, disse o Ministério da Defesa russo.

“Uma fábrica de reparos e modernização de navios militares ucranianos também foi desativada”, disse o órgão em uma declaração. Anteriormente, a porta-voz diplomática russa Maria Zakharova disse que um “lançamento militar” ucraniano havia sido destruído no ataque.

Os mísseis Kalibr destruíram a infra-estrutura militar no porto de Odessa com um ataque de alta precisão“, disse ela. Após o tiroteio em Odessa, a Ucrânia acusou Vladimir Putin de “cuspir na cara” da ONU e da Turquia e comprometer a implementação do acordo assinado na sexta-feira em Istambul para permitir novamente o transporte de grãos, imobilizado pelo conflito no Mar Negro.

No sábado, a Rússia negou a Ancara que estava envolvida no bombardeio.

A invasão da Ucrânia pela Rússia – dois países que representam 30% das exportações mundiais de trigo – levou a um aumento dos preços dos grãos e do petróleo, que atingiu o continente africano de forma particularmente dura.

Comércio ainda é possível

Apesar dos danos ao porto de Odessa, o ministro ucraniano da Infra-estrutura confirma que as exportações de trigo ainda são possíveis. Os ataques do sábado, um dia após o acordo de Istambul, não colocaram em questão tecnicamente a retomada das exportações do principal porto ucraniano do Mar Negro, de acordo com as autoridades locais.

No entanto, na noite de sábado, o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky descreveu o ataque como “cínico e bárbaro”, dizendo que foi um golpe nas próprias posições políticas da Rússia, relata o correspondente da RFI em Kiev, Stéphane Siohan.

O chefe de Estado ucraniano pretendeu se dirigir a todos aqueles que acreditam que um diálogo com a Rússia é possível e que um acordo com Moscou é necessário. “Veja o que está acontecendo”, disse ele, com firmeza.

Desconfiança dos militares ucranianos

Os danos são relativamente limitados, mas ainda é suficientemente significativo que a segurança do comércio ainda não esteja garantida, como confirmou Natalya Humenyuk, porta-voz do exército em Odessa.

“Quem disse que podemos retomar as exportações amanhã? Ninguém disse nada sobre o amanhã. O mecanismo ainda não foi trabalhado. Ainda não sabemos como o acordo será implementado”, explicou.

Em Kiev, o Ministério da Infra-estrutura já está implementando os futuros comboios rodoviários de grãos que chegarão aos portos do Mar Negro, mas os militares estão muito mais cautelosos quanto à possibilidade de concluir o acordo de Istambul.

“Este acordo é um projeto bastante arriscado, pois um dos signatários é uma parte não confiável. Quem, nesta fase, pode garantir de forma abrangente que o inimigo não encontrará pequenas brechas no acordo para poder lançar mísseis novamente? Quem pode garantir isso?”, questionou Natalya Humenyuk.

Neste domingo, um conselheiro econômico do presidente Volodymyr Zelensky disse que se o bombardeio russo continuasse, não seriam necessários oito ou nove meses para exportar trigo ucraniano, mas sim 20 a 24 meses.

Moscou diz ter atingido alvos militares

O The New York Times deste domingo, no entanto, citou uma fonte anônima da ONU dizendo que a Rússia poderia não ter tecnicamente violado o acordo de Istambul se tivesse visado apenas o porto de Odessa e não os grãos em si. Mas ainda não está claro se as greves russas atingem ou não os silos de grãos. A situação ainda não está clara.

(RFI e AFP)

Fonte: Yahoo Notícias

Publicidade
Publicidade

Siga-nos no Facebook

LEITORES ONLINE

AS MAIS LIDAS DO MÊS