Siga-nos nas Redes Sociais


Bairros

200 mil alunos voltam às escolas estaduais de SP nesta quarta-feira

Publicado

dia:

No retorno às aulas, funcionários da Escola Estadual Thomaz Rodrigues Alckmin, no Itaim Paulista, aferem a temperatura dos alunos.

Duzentos mil alunos realizam atividades dentro das escolas estaduais nesta quarta-feira, 7 – 50 mil na capital, primeiro dia de retorno às escolas após mais de 200 dias de interrupção das aulas devido à pandemia do novo coronavírusO número equivale a 5,71% do total de matriculados na rede. A informação é do secretário estadual de Educação de São PauloRossieli Soares, que nesta manhã visitou a Escola Estadual Thomaz Rodrigues Alckmin, no Itaim Paulista.

O governo do Estado é responsável pela educação de 3,5 milhões de alunos, 869 mil deles estão na cidade de São Paulo. Não há ainda balanço das escolas privadas, que também estão autorizadas a abrirem suas dependências para os alunos. Dois milhões de alunos estudam em escolas pagas em todo o Estado. Na rede municipal, apenas uma creche teria condições de receber crianças nesta quarta.

Rossieli disse estar “muito satisfeito” com o retorno das aulas. “Nós entendemos que deve ser uma prioridade da nossa sociedade o retorno das aulas nas nossas escolas. Temos visto pelo mundo afora e é importante que também priorizemos a volta das atividades pelo bem da saúde mental, pelo bem socioemocional das nossas crianças, dos nossos jovens, segundo alertas inclusive feitos pela Organização Mundial da Saúde“, disse.

Retomada das aulas

Na capital paulista, a retomada vai ocorrer de forma gradual, dentro do plano definido pela Prefeitura de São Paulo. O prefeito Bruno Covas (PSDB) só permitiu que escolas públicas e particulares da cidade funcionem com 20% da capacidade e somente para atividades presenciais extracurriculares, como aulas de música, teatro de fantoches e contação de histórias para crianças pequenas e reforço de Português e Matemática a partir do fundamental. A volta das atividades em outubro não pode ser contabilizada como dia letivo e é voluntária para escolas, pais e professores. A partir desta quarta os alunos do ensino superior também estão liberados para reiniciar as aulas regulares.

Escola Estadual Thomaz Rodrigues Alckmin, no Itaim Paulista, estabeleceu o distanciamento entre as cadeiras dos alunos para a volta às aulas.

No restante de São Paulo, em municípios que autorizaram, as escolas estaduais foram abertas em 8 de setembro para esse tipo de atividade extra e permanecerão assim em outubro para estudantes do ensino fundamental. Os alunos de ensino médio e educação de jovens e adultos (EJA) já poderão ter aulas agora em outubro.

A retomada segue regras diferentes de acordo com cada uma das 645 cidades do Estado, já que cada município tem autonomia para definir os protocolos sanitários do retorno. E a adesão a essa retomada depende de cada instituição, que terá autonomia para decidir se abrirá ou não.

O secretário estadual da educação do Estado de São Paulo também afirmou que tem buscado dialogar com as prefeituras que ainda não retornaram com as aulas. “A gente tem buscado dialogar com as prefeituras, respeitando a autonomia. Se não pode retornar as aulas, podemos fazer algumas atividades extracurriculares? Temos hoje mais de 200 municípios autorizados, mas também não temos um número grande que não proibiu. Temos um número grande de municípios que não se manifestaram e a gente está dialogando com eles. Isso é importante, especialmente para aqueles jovens que mais precisam”, ressaltou.

Ele inclusive destacou que, assim como nas escolas privadas do Estado, haverá fiscalização nas escolas públicas para ver se estão cumprindo regras de distanciamento e sanitização contra o coronavírus. “Já estamos fazendo, inclusive para a abertura tem que ter a visita das nossas diretorias de ensino. Temos profissionais muito preparados. Todas as nossas escolas estaduais terão um acompanhamento direto, não só para abertura, mas durante todo o processo que durará essa abertura a secretaria estará fazendo esse acompanhamento”.

Avaliação sobre o retorno às escolas e risco

Ao Estadão, o secretário Rossieli Soares disse ainda que pretende fazer uma avaliação sobre o que deu certo e o que precisa de ajustes depois desses primeiros dias de retomada das escolas. “A gente tem que primeiro aprender com as próprias escolas, com todas as situações. A gente faz balanços semanais, vai aprendendo, tivemos um balanço bem positivo das atividades de setembro”, falou.

Ele também afirmou que até a manhã desta quarta não havia nenhum registro de incidentes nas escolas ou aglomerações. “Ainda é muito cedo, mas o feedback tem sido positivo, de muita alegria, ansiedade sobre o retorno, o que é natural.”

Em coletiva de imprensa no Palácio dos Bandeirantes, o governador João Doria (PSDB) afirmou que a retomada das atividades escolares é importante para crianças e adolescentes e está sendo feita de forma gradual e segura. “Cumprimos o que estava previsto e dentro do que o Centro de Contingência permitiu, fazendo uma retomada segura e gradual. Iniciamos há um mês com atividades de reforço e a retomada das aulas a partir de hoje, respeitando as decisões dos prefeitos dos 645 municípios paulistas. Essa abertura respeita a realidade local. É gradual, segura e leva em consideração a saúde e vida de alunos e profissionais da rede pública e privada. Retomar as atividades presenciais é medida importante para crianças e adolescentes. Os jovens precisam recuperar o contato social. Todos nós precisamos garantir que nenhum aluno fique pra trás na pandemia”, afirmou.

Sobre a possibilidade de haver casos de infecção por covid-19 neste retorno, o Estado afirmou que a orientação é o isolamento de casos positivos e que vem trabalhando com o Centro de Contingência para garantir uma volta segura. “O nível de contaminação de crianças é baixo na escola e estamos voltando vagarosamente. Havendo sintomas, mesmo que não se saiba o diagnóstico, se afasta. Se tem alguém com sintoma na família, não vai para a escola. Essa é a orientação que estamos dando. E também se faz o monitoramento de contactantes. Se tiver dois na mesma turma, isola a turma e pode tomar decisões dependendo do caso, porque há circunstâncias que não são da escola, mas da comunidade. Haverá muitas formas de monitoramento e de acompanhamento”, afirmou Soares em coletiva no Palácio dos Bandeirantes.

O secretário estadual da Saúde, Jean Gorinchteyn, afirmou que, se forem seguidos os protocolos sanitários, não haverá risco.

“É importante entendermos que todos os aparelhos educacionais estão programados e com equipamentos de proteção. Todos, sejam profissionais da educação ou alunos, são orientados para que não venham ao ambiente escolar no momento em que tiverem qualquer sintoma, como dor de garganta ou nariz entupido. Eles devem ir a uma unidade básica de saúde, onde serão avaliados, para identificarmos de forma precoce. Dentro da escola, ele não terá risco de adquirir a doença. Vai começar de forma lenta (volta às aulas), vão circular mais pessoas, mas respeitando as regras sanitárias, não teremos risco para ninguém”, afirmou.

Volta às aulas regulares em 3 de novembro

A volta às aulas, de fato, está prevista na capital para o dia 3 de novembro. O secretário informou que o retorno às aulas continuará sendo adotado o modelo híbrido.

“Teremos aulas presenciais e a distância, dando sempre o mesmo conteúdo. Se a família opta por permanecer a distância mediado por tecnologia, por exemplo, a gente tem pedido cada vez mais um compromisso da família nesse acompanhamento, incentivo na tratativa com a escola, porque é muito importante. A gente vai buscar o equilíbrio, também buscando respeitar os nossos profissionais”, afirmou. / Colaborou Paloma Cotes

Publicidade
Clique e Comente

Você precisa estar logado para postar um comentário Entrar

Deixe uma resposta

Publicidade

Siga-nos no Facebook

Mais Lidas